Primárias abertas

A democracia precisa de si!

Os nossos 37 candidatos (A-Z)

Clique nas imagens para ver os perfis individuais e as declarações de candidatura

Ana Matos Pires

Ana Matos Pires

André Nobrega

André Nobrega

André Novoa

André Novoa

André Teodósio

André Teodósio

Antonio Gonzalez

Antonio Gonzalez

Barbara Magalhaes

Barbara Magalhaes

Carlos Teixeira

Carlos Teixeira

Claudia Vaz Pinto

Claudia Vaz Pinto

EDUARDO VIANA

Eduardo Viana

FILINTO PEREIRA DE MELO

Filinto Pereira de Melo

Filipe Santos Henriques

Filipe Santos Henriques

HUGO TRAVANCA

Hugo Travanca

JOAO MONTEIRO

Joao Monteiro

Joao Vasco Gama

Joao Vasco Gama

Jorge Gato

Jorge Gato

Jorge Gravanita

Jorge Gravanita

Jorge Morais

Jorge Morais

Jose Costa

Jose Costa

José Manuel Azevedo

José Manuel Azevedo

Luisa Alvares

Luisa Alvares

Margarida Bak Gordon

Margarida Bak Gordon

Maria Joao Cantinho

Maria Joao Cantinho

Mariana Santos

Mariana Santos

Mariana Topa

Mariana Topa

Marta Pacheco

Marta Pacheco

Monica Lima

Monica Lima

Palmira Silva

Palmira Silva

Paulo Monteiro

Paulo Monteiro

Pedro Abrantes

Pedro Abrantes

Pedro Vieira

Pedro Vieira

Rafael Esteves Martins

Rafael Esteves Martins

Ricardo Alves

Ricardo Alves

Rita Paulos

Rita Paulos

Rui Nascimento

Rui Nascimento

Rui Tavares

Rui Tavares

Safaa Dib

Safaa Dib

Sergio Lavos

Sergio Lavos

1

Fase de avalização

Os membros e apoiantes do LIVRE inscritos até 9 de março concederão avais às candidaturas para permitir fazer uma ordenação da lista eleitoral, a partir do sétimo lugar e até ao último.

2

Campanha de esclarecimento

Os seis candidatos com mais avais — três mulheres e três homens — passarão a uma fase de debates e informação que durará até dia 5 de abril.

3

Manifesto eleitoral

Os cidadãos independentes e membros de outros partidos também podem votar. Para tal será necessário subscrever o manifesto eleitoral de apoio às primárias abertas do LIVRE que se encontrará aqui.

4

O grande dia!

No dia 6 de abril será possível votar presencialmente em várias cidades do país — e o voto por correspondência também é possível. Os seis primeiros candidatos, e depois toda a lista, serão ordenados paritariamente a partir dos resultados finais.

Em Portugal, desde há quase quarenta anos que todos podemos eleger os nossos representantes. No entanto, só podem ser eleitos deputados aqueles e aquelas que forem convidados para uma lista por um directório partidário.

Até agora. Com a sua ajuda, isso vai mudar.

O LIVRE é um partido ainda em fase de constituição, mas entre os seus objetivos está o de dar um grande passo na história da democracia portuguesa: a realização das primeiras eleições primárias abertas para escolha de candidatos a deputados. Abrimos aos cidadãos a possibilidade, e também a responsabilidade, da representação política.

Acreditamos que os representantes dos cidadãos devem estar dependentes dos cidadãos, e não da máquina partidária. Pensamos que esta decisão inédita de um partido em Portugal dará mais diversidade e eficácia ao exercício da democracia. É uma mudança somente, mas que muda tudo, abrindo lugar a uma nova era de participação cidadã.